COMO CURTIR UMA VIAGEM: FLORIDA

Viagens são experiências únicas, e toda dica é sempre bem-vinda na hora de planejar um roteiro. Por isso, criei este quadro no blog com entrevistas de pessoas que viajaram por aí. Se você também quiser participar, é só mandar um email para: jessicascovoli@gmail.com😉

A entrevista de hoje é com a Ana Luiza, que fez intercâmbio na Flórida!

Qual destino você escolheu e por que? Ficou por quanto tempo?
Eu fui para Tampa, na Florida. Na verdade, eu queria mesmo era ir para Califórnia, mas não consegui. Então foi a empresa que escolheu por mim. Fiquei 10 meses.

Como você planejou essa viagem?
Desde sempre quis morar fora para ter uma experiência diferente. Então fui até a empresa e eles me disseram tudo que eu iria precisar (documentos, etc). Basicamente, eu deixei toda a burocracia na mão deles e graças a Deus, deu tudo certo.

Como foi o processo da viagem? Tirar passaporte e visto? E a trajetória no aeroporto, segurança, imigração?
Passaporte eu já tinha e o visto foi super fácil. Tirei com antecedência para não ter problemas. No aeroporto do Brasil foi tudo tranquilo, mas assim que eu cheguei nos EUA, tive alguns problemas com meus documentos e tive que ficar mais de uma hora dentro da salinha da polícia federal sem poder usar o celular e falar com ninguém. Até que eles acharam, no meio de todos os meus documentos, o que eles estavam procurando.

Sobre a sua mala, quais foram as coisas essenciais que você levou, e o que você fez questão de trazer para o Brasil?
Levei quase o meu guarda-roupa inteiro. Muitas roupas de calor e biquínis. Para ser sincera, me arrependi de ter levado uma mala tão cheia, já que lá é tudo muito barato. Então acabei voltando com a mala quase explodindo, cheia de coisinhas novas.

Como era seu dia a dia/ sua rotina durante a viagem?
Nos dias de semana basicamente ia para escola e às vezes saía com os meus amigos depois da aula pra comer em algum fast food ou jogar boliche. E, durante o final de semana, eu procurava sair sempre que podia para conhecer lugares novos.


O que você mais sentiu falta no Brasil? E o que você menos sentiu falta?
Senti muita falta das pessoas e da cultura. Com certeza não senti falta dos preços altos.

Como foi para sua família/amigos você ficar esse tempo longe?
Foi muito difícil. No começo eu chorava todo dia, até que fui me acostumando e me adaptando ao lugar, mas a saudade era gigante.

Já conhecia o idioma do lugar? Como você fez para se virar?
Eu fiz inglês com uma professora particular durante três anos. Até que falava bem e entendia tudo, mas quando cheguei lá eu simplesmente travei. O que me fez soltar e arriscar foi o pensamento de que se eu não tentasse eu nunca iria aprender.

Você conseguiu manter seu orçamento? Acabou gastando mais do que queira? O que pesou mais no seu bolso? (estadia, compras, locomoção, etc)
Gastei muito no começo com besteira e até me arrependi. Mas com o passar dos meses, consegui lidar melhor com o dinheiro e me policiar para não passar fome. Gastei muito com comida (restaurante, mercado, etc) e com presentes.

Foi fácil lidar com a moeda local?
Sim, não tive esse problema.

Sobre a gastronomia local, o que achou? Como foi a sua dieta/alimentação?
Comi de tudo, experimentei muitas coisas novas. Principalmente os doces e balas. Bem coisa de filme americano mesmo. Mas sinceramente, nada se compara a comida brasileira.

Três dicas essenciais para quem quer fazer essa viagem:
Vá com a cabeça aberta, se algo estiver te incomodando, fale e se você precisar de ajuda não tenha medo e nem vergonha de pedir.

Quais são os apps indispensáveis para sobreviver na viagem? (transporte, dinheiro, turismo, diversão, etc.)
Eu não usei nenhum aplicativo específico, mas meus amigos americanos usavam muito o MAPS do IPHONE como GPS.

O que você achou da vida “noturna” do local? E as festas (bares e baladas), muito diferentes do Brasil?
Eu sinceramente prefiro a vida noturna no Brasil. Nós somos muito mais animados e os americanos adoram causar de um jeito não muito legal. Por eu ser menor de idade, não pude ir nas baladas, mas os bares são muito divertidos, principalmente os de música latina. Eu ia em algumas house parties, mas não foi tão divertido quanto eu achei que seria, tipo nos filmes.

Três lojas que você amou e queria no Brasil? Por que?
Dollar tree, target e o grande walmart. As três são muito baratas, tipo absurdamente baratas, e vendem de tudo. Principalmente o walmart, que apesar de ter no Brasil é muito diferente do de lá. Além de supermercado, também tem roupas, sapatos, etc.


Qual foi a coisa mais diferente que presenciou na viagem? E qual foi a maior lição que aprendeu durante o seu tempo fora?
O quão diferente o americano é do brasileiro. Isto foi uma das coisas que mais me surpreendeu, tanto a cultura quanto os princípios e valores. Eu aprendi muito na minha viagem, mudei bastante também e me tornei mais forte. Aprendi a ter paciência (mesmo que ainda não seja a pessoa mais paciente do mundo) e aprendi a não desistir tão facilmente do que eu quero e do que eu acredito. Também aprendi a não deixar ninguém nunca pisar em mim.

Tem mais alguma coisa que você queira dizer?
Bom, eu tive uma experiência incrível, apesar de algumas dificuldades. Me diverti muito e amadureci demais. Eu super indico a todos que pensam em fazer o intercâmbio ou uma viagem longa. É algo inesquecível.

Se você gostou dessa entrevista continue acompanhado a Ana Luiza no Insta: @aninharibeiro21 e no Twitter: @aninharibeiro21

You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *