NADA DE MENTIRA NAS NOVIDADES DA SEMANA

ANITTA – INDECENTE
Nossa Anirra fez aniversário no último dia 30, mas resolveu comemorar antecipadamente fazendo uma super festa no dia 26. E como se não bastasse isso, Anitta resolveu lançar o clipe de sua nova música, Indecente, na sua festa, ao vivo! A cantora contou com várias participações especiais, e o clipe tem muita dança e muita festa, afinal, a cantora e seus convidados tinham um motivo para comemorar! A música é mais uma que faz parte da carreira internacional da cantora. Se você ainda não ouviu, vale a pena!

5 SECONDS OF SUMMER – WANT YOU BACK
Os meninos do 5SOS lançaram no dia 27 de março o clipe para o seu come back single, Want You Back. Os próprios meninos disseram que queriam fazer um clipe que faz jus a mensagem da música, que é de estar preso a um sentimento. Sou um pouco suspeita para falar já que 5SOS é a minha banda favorita, mas eu super recomendo a música e sou completamente apaixonada pelo clipe!

SAM SMITH FT. LOGIC – PRAY
A música não é novidade, mas a versão gravada com o rapper Logic é! A segunda versão para a música foi lançada essa semana e não vou mentir, já estou completamente viciada. A letra é bem forte, falando que no final das contas, todo mundo pede proteção à Deus através da oração. Eu amo essa música, e tanto essa nova versão como a original são incríveis. Vale a pena ouvir!

THE WEEKND – MY DEAR MELANCHOLY
Depois de quase dois anos sem lançar um trabalho só seu, The Weeknd nos presenteou com um EP que contém cinco músicas. Confesso que ainda não ouvi todas, mas os boatos dizem que todas elas tem várias indiretas para a sua ex namorada, Selena Gomez, já que as músicas falam constantemente sobre coração partido. Sou muito fã do Abel, e o show dele foi um dos melhores que já fui na minha vida! Se você ainda não conhece nada dele, recomendo muito parar o que está fazendo e ir ouvir!

Beijos, Cami!

Continue Reading

5 BANDAS FAVORITAS DO MOMENTO

O quadro CINCO COISAS vai ser o espaço onde eu, Luiza Salomão, a outra irmã da Jess, vou falar sobre todos os assuntos que englobam esse mundo de música e entretenimento. Mas antes, uma pequena introdução:
Eu tenho 18 anos e sou libriana. Sou formada no colégio, e no momento estou na fase de escolher que curso fazer. Sou apaixonada por música e me considero uma pessoa bem eclética. Nos últimos anos colecionei vários artistas e músicas favoritas que compõem as mais de três mil músicas que tenho salvo no meu Spotify, e é sobre isso que vou falar no CINCO COISAS de hoje.

Minhas 5 bandas e músicas favoritas!
(ps: as bandas não estão em ordem de preferência)

MUMFORD & SONS
Não me lembro muito bem como conheci a banda de folk britânica composta pelo vocalista Marcus Mumford, que dá nome a banda; Ben Lovett, que atua como baterista, além de ser responsável pelo famoso som do acordeão que marca bastante o estilo da banda; o guitarrista e banjoísta, Wintson Marshall, e por fim; Ted Dwane que toca principalmente o contrabaixo. A banda ficou muito marcada por esse som que minha irmã chama de “Zé Colmeia e Catatau”, com instrumentos que remetiam muito ao som típico rústico e rural do folk, como banjo, acordeão e violão. Cada músico da banda explora instrumentos diferentes, e nenhum deles têm uma posição fixa para falar a verdade, já que eles variam muito no estilo de suas músicas, como dá para perceber através dos álbuns lançados. “Sigh No More” foi o primeiro, BEM FOLK, que emplacou singles com The Cave e Little Lion Man. Depois veio “Babel”, o segundo álbum do grupo que fez sua popularidade aumentar ainda mais por causa do single “I Will Wait”. E por último, foi lançado “Wilder Mind”. Esse com certeza é meu álbum favorito da vida, onde gosto de todas as músicas e recomendo cada uma delas. Ele tem um estilo totalmente diferente dos outros álbuns. Nesse álbum, a banda preferiu deixar seu folk um pouco de lado e investir em uma pegada mais indie rock. As músicas saem do estilo sertanejo para uma coisa mais virada para o rock, com solos de guitarras e viradas de baterias mais marcadas. Apesar de ser o álbum menos popular deles, talvez por aderir um estilo totalmente diferente do que os fãs estavam acostumados, “Wilder Mind” tem as algumas das minhas músicas preferidas pelo fato de produzirem nesse álbum um estilo musical diferente de tudo que eu já ouvi. Utilizam os instrumentos para produzir sons que eu nunca imaginei que ouviria, como o contrabaixo na minha música favorita “Tompkins Square Park”.
Dica da Lulu: escute Tompkins Square Park e logo em seguida Believe, outra música do álbum, sem interrupções entre as faixas para entender do que estou falando 🙂

THE KOOKS
Acabei de perceber que todas as bandas de quem vou falar hoje são britânicas… Mas não faz mal, porque em Brighton, na Inglaterra (a cidade que eu considero a mais bonita do mundo), se formou The Kooks. A banda já trocou de integrantes algumas vezes, mas ainda conta com o vocalista original, Luke Pritchard, que também atua como guitarrista; Hugh Harris, o guitarrista; Pete Denton na bateria e Max Refferty como baixista. Conheci a banda pelo cover que fizeram da música “Young Folks”, da banda Peter Bjorn and John. Nunca me interessei muito em conhecer o trabalho original deles, apesar de conhecer algumas músicas de ouvido, como os singles mais famosos como “Naive” e “Seaside”. Mas tudo mudou no Lollapalooza de 2015. O álbum “Listen” já estava circulando por um ano, mas só ali, ao vivo e em cores, tive a oportunidade de ouvir “Around Town”, “Are We Eletric” e todo esse álbum que me fez apaixonar na hora. Mas com certeza, minha favorita é “Bad Habit”. Essa, como todas as outras músicas do The Kooks, me encanta pela construção da música. Primeiro os vocais, depois as palmas, depois os instrumentos, e assim você sente que faz parte de música. (E vou poder sentir isso mais de perto no dia 12 de maio, no show da turnê “The Best Of”, que vai acontecer no Espaço Das Américas em São Paulo, e dia 13 de maio no Vivo Rio, no Rio de Janeiro)

LITTLE MIX
Fugindo totalmente do indie rock ou do folk e indo direto para o pop. Minha girl band favorita da vida, Little Mix, foi formado no The X Factor em 2011. Jade, Jesy, Leigh-Anne e Perrie compõem o primeiro grupo a ganhar a competição originalmente britânica. Lançaram o total de 4 álbuns, sendo eles: “DNA” em 2012, “Salute” em 2013, “Get Weird” em 2015 e por último “Glory days” em 2017. O amadurecimento e progresso das meninas é bem evidente por dentre os álbuns, que começaram com uma vibe mais adolescente com musicas super motivadoras, como o single mais conhecido, “Wings”, e hoje em dia emplacam singles que falam sobre superação de ex, como “Shout Out To My Ex”, e músicas com mais conotações sexuais como “A.D.I.D.A.S.” e “F.U.”, um lado que as próprias meninas disseram que queriam explorar mais nas suas músicas. Minha música favorita delas é uma das antigas, uma das músicas motivacionais, que apesar de ser single, não é muito conhecida. Little Me fala sobre o seu relacionamento com você mesmo e é uma música muito bonita. Vale a reflexão!

ONE DIRECTION
Directioner de carteirinha e assumida, sempre fui fã dos meninos. Conheci eles através da Camila, que não parava de ouvir “What Makes You Beautiful”, há mais de 6 anos. Chegava a ser irritante a insistência dela para fazer eu e a Jess ouvirmos a música e conhecer a banda, e um dia me rendi. Desde então, acompanhei cada álbum deles e acho que conheço a letra de todas as músicas. Nunca fui a fã de ter pôsteres colados por todo o quarto ou querer tatuar o nome deles na testa, mas sempre tinha uma música do One Direction tocando no meu celular. Sem falar nas horas que passei na fila para assistir eles ao vivo em 2014. Harry, Zayn, Liam, Niall e Louis, também formaram a boy band no The X Factor, e diferente da Little Mix, os meninos que estiveram na competição um ano antes delas, não ganharam o programa. Ficaram em terceiro, mas isso não mudou nada comparado ao sucesso que os 5 obtiveram nos anos de carreira. Lançaram de cara o álbum “Up All Night”, e não pararam mais. No mesmo ano, “Take Me Home” foi parar no topo de vários países. No ano seguinte veio “Midnight Memories”, depois “Four”, que foi o último álbum deles com o Zayn. Por último, em 2015, foi lançado “Made In The A.M.”, onde tem minha música favorita “What A Feeling”. Essa música não é single e é pouco conhecida pelos que não são fãs dos meninos, mas é minha favorita pelo mesmo motivo que o Louis considera a música tão especial: é a música mais diferente de tudo que os meninos já produziram. Eu considero a música um pouco mais madura do que o estilo comercial que os meninos aderiram a trajetória inteira da banda, que terminou infelizmente ano retrasado. Vale a pena escutar algo diferente do famoso “What Makes You Beautiful”.

QUEEN
Essa foi minha banda de 2017. Não podia ficar um dia sem ouvir “I Want To Break Free” ou tentar tocar “Bohemian Rhaposy” no piano. Queen começou a fazer parte oficialmente do meu repertório diário depois que eu assisti o “Nostalgia Freddie Mercury” no Canal Nostalgia do Felipe Castanhari. Já conhecia algumas músicas aqui, outras ali. Sempre fui de cantar um “We Are The Champions” quando ganhava alguma coisa, mas me apaixonei mesmo pelas histórias por trás dos álbuns e das músicas depois de assistir o vídeo emocionante de uma hora de meia. Sem falar em uma audição do Britian’s Got Talent, outro show de talentos britânico (que vou falar mais sobre em um post futuro) que abrilhantou ainda mais uma das obras do Freddie Mercury. Não vou detalhar muito sobre a biografia da banda, porque se o Castanhari não deu conta de todos os detalhes em quase duas horas de vídeo, imagina eu em alguns parágrafos. Mas o importante é ressaltar o estilo autêntico e totalmente inesperado que as músicas trazem, sem falar nos vocais fenomenais que são de tirar o fôlego. Podia falar que minha música favorita é “Bohemian Rhapsody” (apesar de ser uma das músicas mais geniais de todos os tempos), ou qualquer outra música animada ou com instrumentos marcantes, mas é exatamente o contrário. Dessa vez eu vou roubar e falar das minhas duas músicas favoritas, já que eu não consigo escolher entre as duas. A primeira, “Love Of My Life”, conta com uma performance de violão impecável e os vocais que transitem os sentimentos puros da música. Já a segunda, “The Show Must Go On”, me cativou pela melodia dramática, sem falar na mensagem que a música passa, que dependendo do ponto de vista, pode ser motivacional, ou uma crítica à dura realidade do dia a dia. Fica a indicação do vídeo do Canal Nostalgia e das músicas que fogem do estilo animado da banda!

E essas são minhas 5 bandas favoritas, que seguem estilos e gêneros totalmente diferentes, mas todas são especiais da sua maneira. Lembrando que são apenas palavras de uma adolescente apaixonada por música, não de um especialista fazendo uma crítica. Espero que tenham gostado e fiquem ligados que sexta-feira que vem eu volto para falar sobre mais CINCO COISAS!
Xoxo Gossip Girl ou só Lulu mesmo!

Continue Reading

COMO CURTIR UMA VIAGEM: TEL AVIV

Viagens são experiências únicas, e toda dica é sempre bem-vinda na hora de planejar um roteiro. Por isso, criei este quadro no blog com entrevistas de pessoas que viajaram por aí. Se você também quiser participar, é só mandar um email para: jessicascovoli@gmail.com. 😉

A entrevista de hoje é com o Benjamin, que viajou para Tel Aviv!

Qual destino você escolheu e por que? Ficou por quanto tempo?
Minha última viagem foi para Israel na cidade de Tel Aviv, fui convidado para o casamento de uma prima minha. Fiquei 9 dias lá, e foi maravilhoso! 🙂

Como você planejou essa viagem?
Na verdade, foram minha mãe e irmã que planejaram tudo! Elas usaram um site de viagens para comprar as passagens de avião e reservaram um apartamentozinho (tipo um kitnet) por outro site (Airbnb), que valeu muito à pena, pois é uma alternativa para redução de gastos. Normalmente, tem uma pequena cozinha, então é possível fazer comida, reduzindo ainda mais os custos! Mas é difícil preparar comida, esse tempo deve ser melhor aproveitado conhecendo o local, fazendo compras… 😉 Os dois dias de visita à Jerusalem e Nazaré, procuramos lá mesmo uma agência de viagem para fazer os tours.

Como foi o processo da viagem? Tirar passaporte e visto? E a trajetória no aeroporto, segurança, imigração?
A viagem é um pouco cansativa, fizemos conexões (São Paulo – Madri e Madri – Tel Aviv) que resultou em aproximadamente 19 horas de viagem! Ufa!  Passaporte já tinhamos e não precisvámos de visto, acredito que brasileiros não têm problemas para entrar em Israel. A trajetória é tranquila, mas achei o aeroporto de Tel Aviv meio desorganizado! Filas bagunçadas para passar pela polícia federal e os banheiros eram nojentos! Em relação a segurança, nunca me senti ameaçado, aliás, me senti muito mais seguro em Israel do que no Brasil.

Sobre a sua mala, quais foram as coisas essenciais que você levou, e o que você fez questão de trazer para o Brasil?
Infelizmente, não da pra levar o guarda roupa todo, então tem que ser flexível e organizado na hora de fazer a mala! O que não pode faltar na minha mala é: uma calça jeans, um boné, tênis esportivo (você sempre andará muuuuito durante os passeios) perfume e uma boa troca de camisetas! Hahahaha. Além de trazer uma peça de roupa diferente, gosto de trazer também uma “relíquia”, no caso, eu trouxe umas pedras diferentes que achei durante os passeios!.

Como foi seu dia a dia/ sua rotina durante a viagem?
Muito ativa! Sempre alguma coisa pra fazer! Porém acordávamos um pouco tarde, lá para às 10 horas da manhã. Tirando os dias com compromisso, como um tour que começava as 7:30 da manhã, durante a tarde comprávamos algum salgado ou doce para encher um pouco a barriga e tentávamos toda noite sair para jantar em um restaurante com um familiar.

O que você mais sente falta no Brasil? E o que você menos sente falta?
Senti muita falta dos amigos e do meu cachorrinho que se chama Tobby! É um lulu da pomerânia com pêlos douradinhos! E eu menos senti falta, ou melhor, NÃO senti falta do dia-a-dia estressante da minha faculdade que amo tanto! Hahahaha Ah, e não posso esquecer de comentar que de todos países que vi praia, praticamente nenhuma se compara às praias brasileiras!

Como é para sua família/amigos você ficar esse tempo longe?
No meu caso, amigos longe, porque a família eu fui ver eles! Acredito que também sentiram minha falta, mas com a internet é tudo tão fácil para se comunicar, então sempre mandava mensagens, assim como eles também!

Já conhecia o idioma do lugar? Como você faz para se virar?
Não conhecia! É o hebraico e árabe, mas eu passei em bairros que falavam mais hebraico! Só que é muito fácil se virar com o inglês, a grande maioria sabe falar nessa língua também! Isso foi o que aprendi:
Layla tov = Boa noite
Boker tov = Bom dia
Shalom = Cumprimento que significa paz com você Toda = Obrigado.

Você conseguiu manter seu orçamento? Acabou gastando mais do que queira? O que pesa mais no seu bolso? (estadia, compras, locomoção, etc)
O orçamento foi muito bem mantido, até porque, por enquanto, minha mãe que paga tudo, e ela sabe muito bem lidar com dinheiro! Pela situação do real, da economia brasileira, e o custo de vida de lá que é caro, não ajudou muito! Tudo, como roupas e comida estavam muito caro! Acredito que com o que você mais gasta é comida, pois é necessário e como eu expliquei acima, a situação não era muito a favor.

É fácil lidar com a moeda local?
É super fácil, mas como eu disse, não estava a favor do real na época que fui! E você acaba usando mais cartão do que a própria cédula, porém tem cartões que trazem problema no uso internacional, relacionado à limite do cartão, uso internacional e regras do banco. Tivemos uma situação problemática com cartão lá, relacionada à segurança e liberação do uso do cartão no exterior. Graças à Deus, deu tudo certo no fim! :).

Sobre a gastronomia local, o que achou? Como é a sua dieta/alimentação?
Amei, muito húmus de ótima qualidade e molhos diversos e picantes, variações de temperos, em todo canto que olhava tinha suco de pomegranade e se você é vegano lá é o paraíso vegano!! Eu comia de tudo, uma comida mais gostosa que outra, amei um lanche chamado Falafel!

Três dicas essenciais para quem quer fazer essa viagem:
Seja aberto à novos sabores e texturas de comida. Não deixe de visitar Jerusalem e Nazaré. Faça um passeio para conhecer a arquitetura da “Cidade Branca”, é uma parte da cidade de Tel Aviv que foi construída influenciada por um movimento chamado Bauhaus.

Quais são os apps indispensáveis para sobreviver na viagem? (transporte, dinheiro, turismo, diversão, etc.)
Google maps, você pode baixar o mapa da cidade e usar offline podendo saber em que ponto está! Uber, aliás, se você pedir o serviço do Uber, aparece um táxi, não é livre para qualquer motorista ser credenciado no aplicativo. Câmera, mais que óbvio. Bússola também, é muito essencial, brincadeirinhaaaa, hahahahaha!

O que você acha da vida “noturna” do local? E as festas (bares e baladas), muito diferentes do Brasil?
Infelizmente não pude sair sozinho, conhecer baladas e bares. Mas o que eu vi é que dá pra se divertir, mas os locais fecham bem mais cedo do que aqui no  Brasil!! E a partir de um horário na sexta, acredito que 17 horas, tudo fecha para o começo do Sabbath no sábado, então fica beeeeeem boring, pouquíssimos comércios ficam abertos, e normalmente são restaurantes!

Três lojas que você amou e queria no Brasil? Por que?
Não achei nada muuuito diferente, mas uma loja que gostei se chama Castro, têm vários tipos e estilos de roupa e é um preço mais acessível, como se fosse uma C&A ou Riachuelo.

Qual foi a coisa mais diferente que presenciou na viagem? E qual foi a maior lição que aprendeu durante o seu tempo fora?
Por todo lado haviam jovens vestidos com roupas normais e portavam uma metralhadora, acredito que eram os soldados. Haviam muitas pessoas fitness,  e muito bonitas também, lá eles cuidam demais da saúde. Acredito que a maior lição que pude aprender, mas também é algo que simplesmente sempre tento me relembrar é, viver uma vida mais saudável e sempre ser mente aberta para aprender e entender estilos diferentes de vida e sua cultura!

Tem mais alguma coisa que você queira dizer?
Outra coisa que me marcou muito é a falta de senso de limpeza com as ruas em relação aos animais domésticos, os animais faziam suas necessidades na rua e o dono nem ligava para limpar, e outra é que têm muuuuuitos gatos de rua, então certas ruas ficam com aquele cheiro forte de xixi. E por fim, quero agradecer a princess da Jess por me deixar compartilhar minhas experiências sobre essa viagem! Desejo tudo de bom para o seu blog e que ele cresça mais e mais! God bless you baby! Besos!

Se você gostou dessa entrevista continue acompanhado o Benjamin no Insta @benbrezger!

 

Continue Reading