O QUE EU NÃO GOSTEI DO LOLLAPALOOZA

Se preparem pals porquê eu cheguei! Vocês já me conhecem aqui no blog por ter fotografado alguns looks da Jess. Agora vou escrever aqui também! Para o meu primeiro post no UBRAN DRESS CODE, vou falar sobre algo que não vi ser muito falado depois do Lollapalooza 2017. O post de hoje será sobre as coisas que eu NÃO GOSTEI no evento. De longe não foi o meu Lolla favorito, mas isso não quer dizer que foi ruim, pelo contrario, sem dúvida foi o melhor final de semana de 2017. Mas, assim como todos os anos, esse Lollapalooza foi mais um que deixou muito a desejar. Seja pelas apresentações, pelo LINE-UP ou pela própria organização do evento.

Vamos começar falando sobre a organização do evento. Como sempre as bebidas foram um grande problema. Além do preço, a disponibilidade era quase inexistente por causa das grandes filas dos bares, que não davam nem coragem de enfrentar. Além do mais, os “ambulantes” só vendiam Skol Beats, que dificultava ainda mais para o público que gosta de apreciar uma boa e velha cerveja.

Untitled

Minha sugestão para os próximos anos seria: além de dividir os bares de acordo com bebidas, afinal não é justo você ficar na mesma fila enorme de quem quer comprar cerveja só para pegar uma água, é que houvessem “ambulantes” vendendo cerveja. Tenho certeza que iria deixar o publico muito mais feliz :) Outra coisa que eu tenho para falar no quesito de organização é referente aos palcos. Como vocês sabem, ou não (vou deixar o mapa aqui embaixo), o Lollapalooza tinha 4 palcos: o palco AXE, o palco SKOL, palco ONIX, e o mais recente palco PERRY (eletrônica).

Untitled2

 

Uma coisa que eu achei estranha foi o fato de algumas das maiores atrações (Metallica e The Strokes, por exemplo) não se apresentarem no palco ÔNIX, que teoricamente é o maior palco de todos. O palco AXE também foi um problema. O som estava baixo demais, e na minha opinião é o palco com a pior visibilidade, ainda mais porque inverteram o palco de posição (talvez por motivos técnicos). Visualmente não agradou em nada. O mais novo palco PERRY, a ex-tenda eletrônica, também foi um problema para mim. Não diretamente porque eu não fui assistir nenhuma atração lá. Mas para quem estava no palco Skol ele incomodava. O som do palco PERRY claramente invadia o som do palco SKOL, e essa briga sonora não soava nada bem.

Mas agora vamos falar do assunto mais polêmico: as piores atrações este ano. Na verdade, isso foi mais uma decepção do que um desgosto. Acho que eu apostei demais, criei uma expectativa muito grande em cima de algo que não acabou sendo exatamente o que eu imaginava.

  1. THE 1975:
    Uma das bandas que eu mais estava afim de assistir. Nem conheço muitas músicas deles, mas só pela sua identidade visual já apostei que o show seria perfeito. E realmente foi perfeito, músicas maravilhosas, uma banda realmente muito boa. Era lindo de se ouvir e ver. Mas, por mais que isso pareça pedir demais, eu não gostei da atitude do cantor Mathew Healy. Eu sei que todo aquele charme de quem diz “eu já esperava por tudo isso, vou só fazer a minha parte e ir embora” faz parte de sua personalidade. Mas, qual é? O primeiro show deles no país… E eu, pessoalmente falando, gosto de um pouco de humildade e simpatia. O que eu não senti vindo dele (diferente do Vance Joy ou do James Hetfield, vocalista do Metallica, que foram surpreendentemente super humildes e fofos). Isso acabou fazendo com que eu visse a apresentação deles de outra maneira. Não sentindo tudo aquilo que eu queria sentir com as músicas deles, que apresentam uma mensagem tão forte.

 

1975

A post shared by Luiza Salomão (@salomaoluiza) on

  1. THE CHAINSMOKERS:
    Essa foi a maior decepção do Lollapalooza na minha opinião. E diferente do The 1975, isso não tem nada a ver com a atitude deles, foi mais a apresentação em si. Mas antes de explicar minha opinião vou tentar contextualizar para vocês. No ano retrasado, no Lolla mesmo, eu fui ao show do Skrillex. E foi, sem brincadeira, o show que eu mais dancei na minha vida. Foi O SHOW. Várias luzes, várias músicas conhecidas. Ele conseguiu envolver todas as pessoas com vários gostos de música diferentes. Então venho em 2017, saindo do show do Metallica, que descrevendo em 3 palavras: UM SHOWZÃO DA P@!A, e chego para o show do Chainsmokers (detalhe que acordei às 6 da manhã aquele dia, estava com fome, sono e com vontade de ir ao banheiro, enfim). Chegando lá, eu esperava ouvir Closer, Paris, Don’t Let Me Down, e todos os hits deles que eu estava tão animada para ouvir. Eis que eu chego para um show que sinceramente parecia que alguém tinha simplesmente ligado um pen-drive em um computador. Chegou uma hora que eu literalmente sentei no chão e fiquei la esperando acabar (isso é claro considerando todo o meu cansaço e as outras coisas que eu falei mais cedo). Mas o ponto é que, eles tentaram de uma maneira forçada engajar o público tocando trechos de bandas como Panic! at The Disco e The Killers. Mas não deu certo, por que nem essas músicas eles deixaram tocar por mais de 15 segundos. Acho que esse foi o meu maior problema. Quando você começava a sentir a musica e toda a vibe da galera, eles trocavam, te deixando sem saber o que fazer ou para qual música dançar e cantar. Isso ocorreu principalmente com os hits deles que eram o principal motivo da galera querer vê-los. Foi pra mim, um show mal feito de DJ de balada. Me deixa triste escrever uma opinião tão ruim de um show que eu queria tanto ver, #decepcionada.

Mas então foi isso galerinha do mal. Esse foi meu primeiro post aqui para o URBAN DRESS CODE, na minha categoria FOR THE RECORD! Espero que tenham gostado, e se não concordam com as minhas opiniões deixem um comentário e vamos debater o assunto! Um hug, ate a próxima!

Luiza Salomão

 

Continue Reading

5 break-ups in music!

Dizem por ai que nada dura para sempre, mas será que é verdade? Bom, pelo menos no caso dessas bandas é. Alguns dos maiores fenómenos da música resolveram se separar. Alguns por bem outros nem tanto, Segue o Random Five essa semana:

1. Blink 182

Foi em 2005 a primeira separação do trio, o vocalista Tom DeLonge saiu da banda após ter brigado com os outro integrantes. Esse término resultou em duas bandas, Plus 44 com Mark e Travis e o Angles & Airwaves com Tom. Ambas são muito boas, mas nunca melhor que o Blink 182. Eles voltaram a ser o bom e velho Blink em 2009, mas no começo desse ano foi anunciado pela própria banda a saída do Tom novamente. Boatos de que foi uma saída pacifica, mas fiquei muito triste com a noticia. Ainda quero ir em um show deles!

2. NSYNC

Essa separação foi o resultado de amadurecimento dos integrantes da banda NSYNC. Uma das boy bands mais incríveis e influentes ever! Obviamente o que mais se destacou na musica foi o Justin Timberlake, e como se destacou! Lance saiu do armário e agora participa de varios programas de TV, inclusive um reality sobre seu casamento gay que é demais, passa no E! O JC Chasez focou em compor e produzir para outros artistas, inclusive ele fez parte da banca de jurados do programa America`s Best Dance Crew. Joey Fatone também participou de programas de tv, entre eles Dancing With The Stars. E por último Chris Kirkpatrick, que ficou no mundo musical e agora tem sua própria banda.

3. Jonas Brothers

Eu fui em um dos últimos shows da banda, eles passaram pelo Brasil e mandaram muito! Os queridinhos da Disney, que passavam a imagem de “santinhos” e puros com suas musicas pop e contagiantes. Kevin, o mais velho, hoje está casado e com uma filinha linda. Ele fez até um reality para o canal E! chamado Married to Jonas. Joe não está trabalhando em nada especifico, apenas curitindo a vida de celebrity. E o Nick está arrasando super! Participou de uma campanha polêmica e sensacional da Calvin Klein, e lançou mais um album solo que estou viciada.

4. The White Stripes

Depois de mais de 10 anos de banda, o ex casal, Meg e Jack White se separaram e colocaram um fim na banda The White Stripes. Não foi por briga, nem problema de saúde, nem falta de vontade de tocar. Meg White começou a ter crises de ansiedade nos últimos shows, e ela resolveu acabar com a banda, justificando que era melhor encerrar um trabalho incrível ao invés de extender e correr o risco de arruinar tudo. Não tem como discordar, era um trabalho maravilhoso mesmo, mas hoje Jack White continua arrasando em sua carreira solo. Não vejo a hoje de chegar o dia do seu show! #chegalogololla

5. The Beatles

É claro que não posso deixar de mencionar os pais do rock nessa lista. Por problemas interno na banda os integrantes resolveram parar de tocar. Infelizmente, essa decisão foi fatal, sem a menor chance de uma reunion acontecer, por conta do terrível assassinato do integrante John Lennon. George Harrison passou a falecer também após ser diagnosticado com um cancer incurável. Felizmente Paul McCartney e Ringo continuam trabalhando com música em carrearias solo.

Continue Reading